ENGENHA FRANK

28 junho 2012

EROSÃO FLUVIAL

Erosão fluvial




A erosão fluvial é causada pelas águas dos rios que provoca desgaste nas encostas dos rios e removem porções do solo das margens dos rios, provocando desmoronamento de barrancos.
Por isso o rio pode mudar de forma. Podemos observar, também que a fase do rio é determinante área a erosão causada por tal.Assim, na fase inicial da erosão, devido a grande declividade do terreno, pode acontecer com mais intensidade, na fase mais avançada acontece transporte de sedimentos, já na fase final ocorre o processo de acumulação de tais sedimentos.Podemos dividir o percurso de um rio da nascente até a foz em três seções que podem ser comparadas com as três fases da vida humana: 



o curso superior, ou alto curso, equipara-se à juventude; 

O curso superior do rio é sua parte mais inclinada, onde o poder erosivo e de transporte de materiais é muito intenso. A força das águas escava vales em forma de V. Se as rochas do terreno são muito resistentes, o rio circula por elas, formando quedas de água, gargantas ou desfiladeiros.



No curso médio do rio, a inclinação diminui e as águas perdem força e a sua capacidade de transporte diminui e começa a depositar os materiais mais pesados que já não consegue transportar. Os vales tem a forma de V aberto. Na época das cheias, o rio transborda, depositando nas margens grande quantidade de aluviões. Nessas regiões formam-se grandes planícies sedimentares, onde o rio descreve amplas curvas, chamadas meandros. 

O curso inferior do rio corresponde às zonas mais próximas de sua foz. A inclinação do terreno torna-se quase nula e há muito pouca erosão e quase nenhum transporte. O vale alarga-se e o rio corre sobre os sedimentos depositados. A foz pode estar livre de sedimentação ou podem surgir aí acumulações de aluviões que dificultam a saída da água. No primeiro caso, recebe o nome de estuário e no segundo, formam-se os deltas. 



Erosão fluvial
Erosão fluvial

Conceito de Aluvião
O termo Aluvião designa um depósito recente de sedimentos (areia, cascalhos, resíduos vegetais,...) e que podem ter origem fluvial, lacustre ou marinha. Esta acumulação de sedimentos ocorre a partir do momento em que as águas perdem a capacidade de os transportar.
Conceito de Meandro
O termo meandro designa uma curva acentuada ou sinuosidade no traçado de um curso de água que opõe uma margem côncava abrupta e sujeita a erosão lateral, a um lóbulo de margem convexa onde se acumulam as aluviões. Os meandros, desenvolvem-se geralmente ao nível das planícies aluviais de fraca inclinação, embora possam ocorrer também noutras situações como sejam, por exemplo, os terrenos sedimentares. Nestes casos, os meandros são qualificados de meandros livres ou divagantes pois, devido à não consolidação dos sedimentos e ao efeito continuado da erosão, o canal do curso de água rio muda constantemente de posição. Pelo desgaste das margens côncavas e acumulação de sedimentos nas margens convexas, os meandros tendem a equilibrar o vale e a migrar para jusante. No decurso desta migração, as curvas tendem a acentuar-se, podendo mesmo juntar-se a outra e recortando-a para formar uma curva completa. É então criado um braço morto (um pequeno lago) em forma de U, a que é dada a designação de meandro recortado, ou cortado.
No caso das sinuosidades do curso de água corresponderem às de um vale que corta profundamente um planalto, os meandros por ele formados são designados por meandros encaixados.
fonte:ciencterravida